11
set

COMO A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL PODE ESTIMULAR A EXCLUSÃO

Muito tem se falado sobre a necessidade de fazer parte da construção de uma nova era por meio da transformação digital.

Transformação essa que causa muitas mudanças em diversas camadas das nossas vidas, ou seja, ela permeia a elaboração de novas formas de trabalho e como consequência novas profissões, passa por novas tecnologias que chegam com o objetivo de eliminar ou quase que extinguir atividades que consideramos mais operacionais sem caráter intelectual.

Toda essa revolução irá transformar a forma como nos relacionamos com os nossos familiares, amigos, empresas e bem como nas nossas relações de consumo.

Esse assunto nos faz refletir sobre um aspecto da transformação digital muitas vezes ignorado, que é a necessidade de inserir o consumidor emergente a cultura digital ou ainda mais profundamente aqueles que ainda resistem aos avanços da tecnologia.

Quando olhamos o cenário brasileiro por faixa etária nos próximos anos, vemos um crescimento exponencial na população acima de 65 anos enquanto as demais faixas etárias da população apresentam uma tendência de queda segundo pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Fonte: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/

Fonte: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/

Como as empresas estão lidando com essas pessoas, será que a transformação de forma tão abrupta é o melhor caminho?

A empresa Amazon é um case de destaque mundial quando falamos de transformação digital, apesar de ser uma empresa expressivamente focada no comércio digital, recentemente inaugurou uma loja física chamada Amazon Go localizada em Seattle (E.U.A), a experiência de compra oferecida é diferente do início ao fim e a cobrança é feita de forma automática no cartão cadastrado na conta da Amazon de cada cliente.

Para fazer compras em uma Amazon Go, você deve ter um celular e uma conta bancária e outra na Amazon. Isso porque existem cancelas que só liberam a entrada na loja quando o cliente mostra um QR Code de sua conta na Amazon.

A partir de então, ele é livre para escolher qualquer produto e simplesmente sair pela cancela novamente, saindo da loja. As câmeras de monitoramento e a inteligência artificial são os incumbidos de analisar o que o cliente comprou e fazer a cobrança através da conta cadastrada.

A empresa projeta abrir cerca de 3 mil lojas até o final de 2021 segundo o site da Startse uma plataforma que conecta o ecossistema de Startups no Brasil e Vale do Silício (EUA).

Após receber diversas criticas a Amazon confirmou à rede Consumer News and Business Channel (CNBC) que irá aceitar outras formas de pagamento além de cartões na Amazon Go. A varejista não deu nenhum detalhe sobre como seria pagar com dinheiro em uma loja que não possui caixas ou funcionários, mas informou que eles estão trabalhando para isso – inclusive para os clientes receberem trocos.

Esse é um exemplo que nos faz refletir, que é preciso pensar também na não exclusão das pessoas nesse novo mundo, estamos vivendo tempos em que as empresas e as pessoas necessitam ter propósitos e quando falamos em transformação digital respeitar o ser humano com todas as suas limitações não é retrocesso, mas sim um movimento humanizado e consciente de evoluirmos nos negócios e em quanto sociedade.

Temos que olhar os consumidores em sua amplitude e cada vez mais empoderá-los à cerca do que melhor os atendem, para que assim as empresas possam gerar engajamento quanto a sua marca e prevenir para não provocar uma repulsa por excluir uma parte das pessoas em pró da transformação digital.