25
jan

Transformação digital é redução total de custos

Olá buscadores de resultados,

Ao se unir com o marketing a transformação digital se torna cada vez mais desejável, com aquele ar de modernidade das propagandas, mas no fundo está de olho na velha necessidade de redução de custos. Acontece que com a queda dos custos do processamento de dados, várias soluções começaram a sair do laboratório e ganharam utilidade prática somente agora. A inteligência artificial, por exemplo, foi criada na década de 50 e voltou com tudo com os bots.

Aquele ar de “modernidade” que a transformação digital apresenta com a ajuda da propaganda, deixa tudo ficar mais atraente e desejável.

Lembre-se, se o objetivo é business, grana e resultado, então tudo o mais que entrar no funil da transformação digital, como algumas atividades profissionais, poderão ser extintas. O Fórum Econômico Mundial publicou um relatório no início de 2018 que alerta que mesmo entre os profissionais que possuem bons empregos, a tecnologia disruptiva e as forças socioeconômicas ameaçam deixar os conjuntos de habilidades e sua importância obsoletos. Ou seja, ninguém está e nem vai ficar numa posição confortável.

Veja o que demostra o estudo abaixo elaborado por Daron Acemoglu, do MIT e Pascual Restrepo, da Boston University:

1 robô = 5,6 trabalhadores;

1 robô = 0,25% a 0,5% de baixa nos salários.

 

Irresistível, não é? E portanto é irreversível!

A inteligência artificial trará cada vez mais produtividade, eficiência, assertividade por um custo menor. Apenas citando algumas atividades que poderão desaparecer: atendentes de call center mal humorados, caixas de lanchonete mal educados, vendedores mal informados, motoristas de aplicativo de taxi mal intencionados, entre outros.

Diante disto, só ficará fora do funil os profissionais mais criativos. No mundo dos empregos, contratar, treinar e demitir é muito caro. Se o trabalho não tiver criatividade, então, corre forte risco de ser automatizado (por enquanto, estamos falando apenas da automação da atividade. O filme Matrix foi mais além, vislumbrando um futuro ficcional onde até os seres humanos acabaram virando bateria para as máquinas).

 

Diferente da máquina, a criatividade é algo ilógico que atende também por um outro nome: inovação.

Para citar alguns negócios inovadores (e bilionários): Uber, Waze e Airbnb. A capacidade de inovação é algo inerente ao ser humano. Gera emoção nas pessoas pela genialidade, raciocínio disruptivo ou beleza pelo seu design. Beleza é equilíbrio e equilíbrio traz a paz.

 

É aqui que está a diferença! Não é a máquina substituindo o ser humano. É o contrário! É o ser humano que deixa de ocupar o lugar da máquina.

A empatia torna-se, portanto, cada vez mais um valor a ser apreciado no ser humano, e consequentemente no mundo do trabalho.

Você concorda ou discorda destas informações? Gostaria de compartilhar sua experiência conosco? Então escreva um e-mail para nós.